Quando a gente esquece

Equipamento bom é aquele que a gente nem lembra que existe: uma mochila que está nas costas, mas sem pesar, um boot que não dói o pé. Sem contar as roupas técnicas. Esse é o motivo de gastarmos tanto tempo e dinheiro com bons equipamentos.

por em 12/Nov/2010
Revisado por: Vê Mambrini
Fotos: Carla Franzam, André Tocha, Joana Rocha, Celso Oliveira e Kad Carolina

O que é um bom equipa para você? Certamente é aquele que está sempre contigo nas aventuras, debaixo de chuva ou de sol. É especialmente aquele que está contigo desde que começou a trilhar, há um bom tempo atrás. Há pouco tempo eu “virei” todo meu equipa de aventura: com a aquisição da minha nova mochila e barraca nenhum equipamento com que eu me aventuro hoje é aquele mesmo que começou comigo. E no caso destes dois primeiros, eu deixei de usá-los com um aperto no coração. Dobrei carinhosamente a barraca (toda manchada de sangue dos borrachudos assassinados nas paredes), e a mochila eu vou mandar costurar e finalmente pendurá-la na lojinha.

Lex e Topan voltando de trilha em Paranapiacaba com suas velhas mochilas
Equipas velhos são como amigos de looonga data

Nenhum dos meus primeiros itens era de uma marca top. De quase ninguém é. A barraca era uma chinesa distribuída pela Capri e a mochila, uma Trilhas&Rumos. Eles duraram mais de 10 anos! Nesse período eu tive tantos outros equipamentos que nem me arriscaria a contar: headlamps, bastões de caminhada, meias, roupas, camel backs, pratos, isolantes, panelas… eu fico me perguntando porque alguns duram tanto tempo a mais. Simplesmente não há resposta, acho que é tentativa e erro mesmo. Tive uma headlamp a dínamo que durou exatamente 4 horas: foi o tempo de eu sair com ela da loja, chegar ao meu destino e em 5 minutos uma chuvinha tola a matou afogada. Muitos equipas nem cogito em reclamar para o vendedor, afinal, foi mau uso meu. E assim vou experimentando e descobrindo o que é bom e o que é ruim.

Lex e muitos bastões na trilha
Bastões? Já tive muitos

Voltando a minha antiga mochila, com as devidas costuras e updates ela fica pronta para outra. Mas porque eu a troquei? Durante a caminhada, a barrigueira já gasta não tinha a mesma maciez de antes, machucava com grandes cargas. O acolchoado das costas, idem. A barraca, toda vez em que dormia nela ficava com vergonha de mim mesmo de tantas marcas de sangue espalhadas pela parede, e algumas goteiras em dias de chuva mais forte. Dou risada quando lembro de mim sozinho recortando e colando com silvertape sacolinhas de mercado para conter uma goteira (depois daquele dia fiz uma reforma com impermeabilizante). Um bom equipa passa despercebido, seu uso deve ser sempre confortável e ele deve cumprir invisivelmente a função para qual foi projetado. Você deve esquecer que ele existe.

Lex consertando o boot da Vê com silvertape
Acha exagero o rolo de silvertape? Ele pode salvar sua trip

Claro que isso vale para os equipas novos também. E um que passou a sua vida inteira me incomodando foi um maldito boot da Salomon. Até hoje não sei se ele é mesmo uma merda ou se eu escolhi o modelo errado (sei que ele era para montanha gelada). Também era apertado, porque o boot que tinha antes (um BullTerrier, muito confortável) laceou a valer, até demais, e eu queria um boot na medida certa. Então, anote: bons boots de caminhada não laceiam. Depois de quatro horas de subida no Pico do Corcovado em Ubatuba, com o Snake de um amigo (no tamanho certo), fiquei surpreso ao perceber que pela primeira vez eu apenas me preocupava em continuar andando e não sobreviver à dor insuportável nos meus pés. Comprei um snakão para mim e na Chapada Diamantina tive uma performance que nunca tive antes.

Vista da Chapada Diamantina
Como diria Capitão Nascimento: ?senta a bota nessa porra?

E com um boot maldito que foi o Salomon, nem me deu vontade de testar o excelente par de meias Lorpen que recebi do pessoal gente finésima da ProAtiva. Finalmente coloquei a Lorpen junto com o snakão e fui muito, mas muito feliz. Mario Nery já fez um excelente review técnico desta meia e nem vou entrar em detalhes. Vou dizer minha impressão: eu não notei sua existência. Mas ela ajudou a notar todas as outras meias e boots que usei no passado e dei risada do masoquismo que me submeti. A forma como a meia envolve seu pé nos lugares certos, aliada ao excelente boot, me fizeram andar 18 quilômetros em apenas 6 horas, em trilha difícil, com muitas subidas e descidas, e é claro, com o mochilão carregado às costas. A sua eficiência está comprovada na prática.

As inacreditáveis meias Lorpen
As inacreditáveis meias Lorpen

Uma das últimas coisas que adquiri para o meu portfólio foram roupas técnicas. São itens caros e, convenhamos, não parece que compensa gastar nelas como uma lanterna ou um bastão de caminhada. “Roupa é apenas roupa”, eu pensava e tenho certeza que muita gente também. Errado. As calças de tactel que comprava nos camelôs do Brás foram minha primeira certeza que uma boa roupa técnica poderia valer a pena. É que pagar R$200 numa peça não me agradava muito. Hoje eu posso dizer que está tudo mais barato, mas há 5 ou 10 anos atrás, era coisa para poucos. As camisetas de crepe de poliamida que só havia por R$100 na Track&Field e hoje a compro por R$20 na Líquido. Sempre invejei quando via alguém com uma calça da By, sabia que ao ter uma estaria vestido a caráter para a minha atividade. E estaria com uma roupa que me daria uma liberdade muito maior de movimentos ou teria uma durabilidade acima da média. Enquanto isso não acontecia, sofria com calças cargo de lona grossa (para aguentar a impiedosa ferrovia) ou passava situações ridículas em lojas de academia procurando um legging para escalar (aliás, a diferença incomparável é que o legging masculino tem um cordãozinho na cintura).

Lex tomando água num córrego com sua antiga calça e boot
Calça de lona e boot Salomon: não sentirei saudades

Sendo caro ou barato, industrial ou caseiro, famoso ou desconhecido, seu equipamento (roupas inclusas) deve te deixar à vontade para chegar onde você quiser chegar. E, é claro, voltar. No percurso de descoberta deles você terá algumas surpresas, esteja pronto para elas (leia-se: “leve silvertape”). E não se irrite quando um boot abrir o solado, ou uma mochila estourar, o velho ditado em aventura muitas vezes é lembrado: “o barato pode sair caro”. Não estamos falando necessariamente de preço. Estamos falando de ser um cliente pentelho nas lojas, testar bem antes de sair de casa, olhar todos os detalhes e principalmente comparar a concorrência. Salvo em algumas poucas lojas, nunca acreditar no vendedor. E quando você menos esperar, terá uma pequena lojinha de equipamentos particular ?

:,

24 comentários neste post

  • Rodrigo Stulzer

    Bem vindo de volta à ativa!!

    Abraços!
    Rodrigo Stulzer
    transpirando.com

  • Moaci Judson

    Bem vindo! estava com saudades das postagens!

    • Lex

      Obrigado! Estamos aqui novamente!!

    • Tess

      I own several websites which consist of blogs, article diecitorres, and in addition net directories. I was wondering on whether you have an interest in exchanging links with my different websites. I’d be very happy if you can approve this remark and let me know the links that you want me to insert into my web site, and I will comply. Sorry my use of words not very good. Let me know.

  • Mário Neto

    Concordo plenamente! Queria ter esquecido do selim da minha bike quando fiz o Caminho da Fé! hehehe

  • Francisco

    Qual o modelo da sua bota snake?

  • Lucas Jorge (Pupilo)

    Muito bom, cara. Sempre ótimos posts.
    Que mochila é aquela vermelha da foto da chapada?

  • Mario Nery

    As meias da Lorpen são coisa de louco mesmo, pretendo aumentar minha coleção delas em breve!

  • Jeff

    Ótimo post Lex (é bom vê-lo novamente na ativa).

    Inúmeras vezes também me surpreendi com certas discrepâncias que vemos por aí, onde compramos certos produtos de marcas não tão conhecidas que duram ‘ad eternum’ e outros de grife que, infelizmente, não correspondem às expectativas. Meu último caso deste tipo aconteceu tb com um par de meias (só que da Hi-Tec), horríveis, viviam descendo por dentro do boot e incomodando. Não tive dúvidas, corri até uma Loja Americanas mesmo e troquei por um par basicão mesmo e voltei para o céu.
    Enfim, para alguns casos é mesmo tentativa-e-erro…

    Em tempo. Por falar em lojinha, acabei de comprar mais uma Kampa (a Joy), daqui a pouco vou ter que montar prateleiras no quarto de equiptos. rs

    • Lex

      E é bom vê-lo aqui também, Jeff. Não deixe de fotografar a Joy e mandar suas impressões! Adivinha sobre o que é o próximo post…
      abraços!!

      • Jeff

        Pode deixar, as fotos virão. Nesse fds iremos fazer a ‘Meia Volta’ da Ilhabela e o Tchê irá levar a Adventure dele, assim poderemos fazer um comparativo legal delas.
        Aguarde impressões.

        • Essie

          / Posted a guide about the questline for Spinysaur over at Wizard101 Central, and was too tired after the battle to provide tips, lol. This one was a toughie, no doubt, and took me a few times to shape my strategy before I prekviled.Thanas for the guide – if only you had posted this BEFORE I reached 88.

        • http://goanalyze.info/mileageplus.com

          take my nails design which im constantly changing !!!My shoes as i tend to always dress minimal, shoes are my favourite accesories. And of course all perfect colorful landscapes in my country Perú :)as backgrounds for my photoshoots ! kisses!

  • Nelma

    Texto ótimo!!
    O meu grande problema são os boots!! Eu calço 33 e quem disse que consigo achar uma boot decente nesse tamanho? Com muita sorte achei um semi-impermeável (não sei onde, pra mim ele é totalmente permeável) que é até bem confortável no seco.
    Queria muito uma snake, mas só pedindo pro papai noel pq loja pra comprar nunca vi!!

    • Lex

      Nelma, sua unica saída é comprar em alguma loja virtual… mesmo em São Paulo Snake é muito difícil de achar
      beijos

      • Nelma

        Na minha numeração não tenho encontrado nada nem em lojas virtuais :((
        Mas faz um tempinho que não procuro, qualquer hora dessas faço uma nova peregrinação pelas lojas virtuais.
        bjs

        • Lex

          Nelma, a Vibram FiveFingers chegou no Brasil e está à venda na Track & Field. Tente lá! (deve ser tão baratinho…)

  • Kaden

    is one of more than 1,500 museums across America to offer free admission to military personnel and their families this summer in cobialoratlon with the National Endowment of the Arts, Blue Star Families, and the Department of Defense.

Responda